Print this page

Serra Leoa – Meninas da infância esquecida e um ônibus que as ajudará a olhar para o futuro

29 maio 2017

(ANS – Freetown) – Há poucos meses, um ônibus de Badajoz, Extremadura, Espanha, foi enviado a Freetown, Serra Leoa, como meio útil para um dos projetos dos Salesianos em favor das crianças em risco de exclusão que vivem pelas ruas da cidade. O primeiro objetivo é salvar as meninas e adolescentes que se prostituem. Esta é uma das histórias das “meninas da infância esquecida”.

“Sou prostituta há 5 anos, e há 2 sou órfã. O Ebola matou minha mãe e muitos dos meus parentes”, conta com voz baixa Fatimata, uma garota de 12 anos, rodeada por outras amigas. São todas garotas da rua, nenhuma com mais de 19 anos. Vivem em Grafton, periferia de Freetown, a meia hora da cidade. “Fazemos isso porque não temos outro modo de viver. Somos pobres, e se não formos para as ruas, não comemos”, sublinha.

Fatimata e suas seis amigas (Miatta, 13 anos; Aisha, 14 anos; Mabinty e Afama, ambas com 16 anos, Isatu Comte, 17 anos; Bangura, 19 anos).

Quem são os clientes?

A maior parte são pessoas de cor, não estrangeiros. De classe média.

Quanto conseguem ganhar assim?

Cerca de 30.000 Leones (pouco menos de 5 Euros) por noite. Não gostamos do que fazemos, mas como dissemos, precisamos comer e viver.

Vocês usam proteção?

Normalmente, não. Os homens não querem.

Contam que já receberam todo tipo de ameaças e brutalidades. “Alguns clientes são muito brutos, outros não querem pagar”. Todas abandonaram a escola há tempo, obrigadas a trabalhar nas ruas. “Voltaríamos, mas...”, diz Aisha.

“A partir da próxima semana, o ônibus estará aqui. Venham, comam e conversem conosco. Podem levar também as suas amigas”, diz o P. Jorge Crisafulli, SDB”. “Talvez possam voltar à escola e estudar. Há algum problema se não forem à rua alguma noite e virem no ônibus?”. As garotas olham umas para as outras. “Não”.

Segundo as estatísticas há atualmente cerca de 750 menores que se prostituem em Freetown.

São as meninas da infância esquecida, meninas que, talvez, com o ônibus, poderão olhar novamente o futuro com alguma esperança.

Fonte: El Periodico Extremadura

Related items

Este sítio utiliza ‘cookies’ também de terceiros, para melhorar a experiência do usuário e para fins estatísticos. Escorrendo esta página ou clicando em qualquer de seus elementos, aceita o uso dos ‘cookies’. Para saber mais ou negar o consentimento, clique na tecla "Mais informações".